Bebo, logo existo!

“A distinção entre países civilizados e não civilizados é a distinção entre os lugares onde se bebe e aqueles onde não se bebe”, diz o filósofo inglês Roger Scruton.

A utor de mais de 30 livros de ensaio, o pensador britânico de pendor conservador assinou, entre 2001 e 2009, uma coluna sobre vinhos na revista New Statesman, coluna essa que serviu de material para a obra em questão, descrita por Scruton como um guia não para a fruição da bebida mas sim para pensá-la. Recheado de referências a grandes filósofos, como Berkeley, Nietzsche, Russell e a atitude deles perante o vinho, o livro ataca a obsessão pelas regulamentações económicas centralizadoras da Europa. Embora alguns trechos iniciais possam assustar o leitor, como, por exemplo “Sem a ajuda da bebida vemo-nos uns aos outros tais como somos, e nenhuma sociedade humana pode ser construída sobre uma base tão frágil.”, a lucidez do autor predomina. Scruton acha “inútil tentar descrever o sabor de muitos vinhos” pois os seus efeitos no nariz, na língua e no palato não podem ser expressos em palavras… e quase que despreza o novo hábito, tão defendido pelos críticos americanos como Robert Parker, de atribuir pontos a cada garrafa como se fosse uma corrida a vencer. Quase que quer dizer que atribuir pontos a um “Barca Velha” é o “mesmo que atribuir pontos a sinfonias – como se a sétima de Beethoven, a sexta de Tchaikovsky, a número 39 de Mozart e a oitava de Bruckner estivessem todas pairando entre o 90 e o 95.”

Algo que parece incomodar o autor consiste na posição muçulmana quanto à proibição do álcool. Ele aborda o tema em diferentes capítulos, defendendo sempre que essa interpretação do Alcorão estará incorreta. Voltando aos filósofos: o livro possui um apêndice, no mínimo, curioso. Filósofos como Platão, Aristóteles, Santo Agostinho e Descartes, para além dos antes citados, recebem uma análise – uma mais aprofundadas do que outras – dos seus pensamentos e qual seria o vinho adequado para “harmonizar” com a leitura dos textos de cada um. E Scruton deixa as suas opiniões bem claras: enquanto sugere Vino Nobile de Montepulciano para Tomás de Aquino, “água de alcatrão” é a pedida para acompanhar Berkeley. Isto talvez porque, durante a fome e a epidemia de peste que ocorreram entre 1737 e 1741, Berkeley devotou-se aos doentes, tentando curá-los com água de alcatrão.

Por Manuel Machado

Contacto