Vinho de Carcavelos

  • Provérbio
    Quem tem bom vinho tem bons amigos.
    Provérbio
  • Provérbio
    No dia de S. Martinho, assa as castanhas e molha-as com vinho.
    Provérbio
  • Provérbio
    Nem vinho sem Cristo nascer, nem laranja sem Cristo morrer.
    Provérbio
  • Provérbio
    Ao figo água, à pêra vinho.
    Provérbio
  • Provérbio
    Ao teu amigo e ao teu vizinho, o melhor pão e o melhor vinho.
    Provérbio
  • Provérbio
    Vinho doce bebe-se como se nada fosse.
    Provérbio
  • Provérbio
    Vinho que baste, carne que farte.
    Provérbio

Um pouco sobre a história do nosso vinho

Um grande vinho produzido na mais pequena região vinícola do país



 

D e renome internacional e de tradição secular, o Vinho de Carcavelos detém qualidades reconhecidas e confirmadas pela Carta de Lei de 18 de Setembro de 1908, na qual foi definida a região demarcada, então "formada pelas freguesias de S. Domingos de Rana e Carcavelos, do concelho de Cascais, e pela parte da freguesia de Oeiras que é tradicionalmente reconhecida por produzir vinho generoso", bem como os princípios gerais da sua produção e comercialização. A produção deste vinho situa-se portanto em área situada dentro do território dos municípios de Cascais e de Oeiras, naquela que é a mais pequena região vinícola de Portugal.

No entanto, muito antes, já no séc. XIV, documentos selados com a chancela real, se referiam aos “bem cuidados vinhedos de Oeyras”. Depois, no século XVIII, com a ascensão de Sebastião José de Carvalho e Melo, Ministro do Reino, feito Conde de Oeiras em 15 de Julho de 1759 e posteriormente Marquês de Pombal, o vinho generoso de Carcavelos foi refinado na sua produção, face às qualidades fantásticas da sua quinta em Oeiras.

 

vinha-oeiras

Bem cuidados vinhedos de Oeyras"

Citado de documentos do séc XIV, selados com a chancela real



 

No último quartel do século XVIII, era já um vinho prestigiado e conhecido das elites europeias. A produção chegou a atingir 3.000 pipas nos primeiros anos de oitocentos, verificando-se intensa exportação, sobretudo através de Inglaterra, para mercados como a América do Norte, Índia e Austrália.

Reza a História que, a atestar a excelência do “Carcavelos”, estará uma valiosíssima oferta de D. José I, Rei de Portugal e dos Algarves, ao poderoso Imperador da China. Pois assim foi: através do embaixador português chegaram às mãos (e à boca) do dito imperador, duas esplêndidas garrafas de vinho “Carcavellos” proveniente da oeirense quinta agrícola do seu 1º ministro, o “ilustrado” Sebastião José. Parece que se seguiram muitas mais!

Porém, nem só de momentos bons viveu o “Carcavelos” pois ao longo da sua já longa existência teve alguns reveses, em virtude das pragas vinhateiras. Foi o que aconteceu décadas mais tarde com a terrível filoxera que assolou o país e quase o extinguiu. Associada a esta desgraça surgiu, na segunda metade do Século XX, a necessidade de urbanizar terrenos e com ela outra terrível praga: a especulação imobiliária!

Na década de 1980, as Quintas da Ribeira, dos Pesos e da Samarra, em Caparide, arriscaram reiniciar nos seus terrenos a prática produtiva interrompida, esforço que a Câmara Municipal de Cascais (CMC) reconheceu, através da respectiva inclusão no Catálogo-Inventário do Património Municipal. Em vista está ainda a implementação de um projecto museológico, através da recuperação e adaptação da adega e respectivos anexos a Museu, apoiando assim a CM Cascais a retoma da produção do vinho generoso, criando rotas enoturísticas no território e associando-se às iniciativas da Confraria de Enófilos do Vinho de Carcavelos.

 

casal-da-manteiga-exterior
Casal da Manteiga (estrutura do séc.XVIII integrada na Quinta de Cima)
casal-da-manteiga-adega
Casal da Manteiga (adega)

 

Por seu turno, a Câmara Municipal de Oeiras tem investido nas últimas décadas verbas consideráveis na preservação e manutenção da vinha já existente na antiga Quinta de Cima, na plantação de nova área e na recuperação do edificado, particularmente no Casal da Manteiga (estrutura do século XVIII integrada na referida quinta), bem como na aquisição de pipas, garrafas e em todos os aspectos administrativos de normalização do processo de produção.

Na sequência deste investimento, e concretamente a partir de 2001, a produção de vinho licoroso de Carcavelos, passou a fazer-se na adega do Casal da Manteiga, sendo a produção partilhada em partes iguais pela autarquia e pelo Instituto Nacional de Investigação Agrária (L-INIA).

Resta dizer que o “Carcavelos” é constituído pelas seguintes castas: Arinto, Galego Dourado e Ratinho, e apresenta uma cor de mel. É fortificado em grande parte com a famosa aguardente da Lourinhã. Evidencia altíssimos padrões de qualidade, e integra com o “Porto”, o “Madeira” e o “Moscatel de Setúbal”, o restrito grupo dos vinhos generosos portugueses, sendo considerado por inúmeros enólogos como um dos melhores aperitivos portugueses e um óptimo digestivo.

 
 

Castas
recomendadas

percentagem mínima recomendada

75%

Brancas
Galego Dourado, Boal, Ratinho e Arinto
Tintas
Periquita (Santarém ou Trincadeira) e Preto Martinho (Negra-Mole)

Castas
autorizadas

percentagem máxima autorizada

25%

Brancas
Rabo de Ovelha e Seara Nova
Tintas
Trincadeira-Preta (Espadeiro ou Torneiro)

 

 
É obrigatório o estágio mínimo de dois anos em vasilhame de madeira e de seis meses em garrafa, a contar da data da sua elaboração.
Após a aprovação do vinho pela Comissão Vitivinícola da Região de Lisboa este é certificado com rotulagem sancionada para o efeito.
 
 
Villa Oeiras

Trata-se de um vinho bem marcado pelas características naturais da região: terrenos calcários de declives voltados para sul, com temperaturas amenas e ventos de norte a subtraírem a humidade marítima.

É um Vinho Licoroso/Generoso de Qualidade Produzido em Região Demarcada (VLQPRD) com Denominação de Origem Demarcada (DOC), de cor topázio, aveludado, delicado, com aroma amendoado, adquirindo um perfume característico com o envelhecimento.

Produzido pela Câmara Municipal de Oeiras na Quinta do Marquês de Pombal em terrenos da ex-Estação Agronómica Nacional, é fortificado em grande parte com a famosa aguardente da Lourinhã e evidencia altíssimos padrões de qualidade. Integra com o “Porto”, o “Madeira” e o “Moscatel de Setúbal”, o restrito grupo dos 4 vinhos licorosos/generosos portugueses.

Neste momento a área de vinha global dos produtores de Carcavelos em activo é de – 25 ha sendo a da Quinta do Marquês de Pombal de 12,5 ha. O volume de produção atingiu em 2015, quanto ao Vinho Branco Apto a Carcavelos – 60.450 litros, e quanto Vinho Tinto Apto a Carcavelos – 1.000 litros. Já em 2016 a produção quanto ao Vinho Branco Apto a Carcavelos foi de 33.200 litros.

Prémios alcançados:
  • Selezione del Sindaco 2012 – Grande Medalha de Ouro (golden medal)
  • Concurso de Vinhos de Lisboa 2012 – Ouro (Gold medal)
  • International Wine Challenge 2013 – Silver
  • Concours Mondial de Bruxelles 2013 – Silver
  • International Wine & Spirit Competition 2014 – Silver Outstanding
  • International Wine Challenge 2014 – Silver
  • Portugal Wine Trophy – 2016 Ouro (Gold medal)
Quinta dos Pesos

Vinho com Teor Alcoólico Volume de (%) 19,5. Vinho generoso muito velho, apresenta um aroma discreto mas muito fino, diferente de todos os outros generosos. Muito delicado, ligeiro fruto seco, boca elegante e seca, mas com um final longo e macio.

Vinho comercializado directamente pelo produtor e também pela Garrafeira Nacional

Topo da listagem
Quinta da Bela Vista

Vinificação: As uvas após desengace são esmagadas e prensadas. O mosto lágrima fermentou em tonéis de madeira, durante aproximadamente 1 mês. Após terminar fermentação alcoólica é adicionada a aguardente vínica necessária para elevar o teor alcoólico a cerca de 20%. A esta aguardente foi adicionada uma percentagem de mosto lágrima para que o vinho contenha algum açúcar residual. O seu envelhecimento procedeu-se durante vários anos em tonéis de madeira.

Cor Âmbar com laivos dourados.

Aroma Intenso denotando idade e grande evolução.

Notas de especiarias e frutos secos (amêndoa e avelã), envoltas numa suave e agradável e uma notável acidez final.

Prova: Aveludado com sabor caramelizado e notas de figos secos, passas e algum fumado persistente. Encorpado e bem balanceado entre a sua estrutura e uma notável acidez final.

Gastronomia: Excelente como aperitivo ou digestivo.

Topo da listagem
Quinta do Barão

A Quinta do Barão, situada no limite do concelho de Cascais com o concelho de Oeiras, constitui uma das marcas mais emblemáticas do legado histórico relativo à produção vitivinícola na região, nomeadamente do vinho generoso de Carcavelos, apreciado pelas elites europeias e internacionalizado em larga escala a partir da segunda metade do século XVIII.

Topo da listagem
Quinta da Ribeira de Caparide
Propriedade do Patriarcado de Lisboa.
Não produz Vinho de Carcavelos todos os anos.
Encontra-se, de momento a vender a produção de 1995, sendo que a de 2004 está toda engarrafada e pronta a entrar no mercado. A colheita de 2008 ainda está nas pipas.
Topo da listagem
Contacto